Sensibilidade e emoção na ação social com o Asilo São Vicente de Paulo

Os alunos das turmas do 7º, 8º e 9º ano da Unidade Bom Pastor realizaram uma Ação Social no Asilo São Vicente de Paulo – Ponta Grossa, que abriga mais de cem idosos. Após uma semana de muita reflexão sobre a Páscoa, em que os alunos foram convidados a refletir sobre a humildade, a servir o próximo, a pensar sobre suas atitudes, foi realizada uma ação para concretizar os valores trabalhados diariamente na Escola, colocar em prática a empatia, o trabalho com as competências socioemocionais, ajudar o próximo. Foi o momento do “Lava pés”.

Assim, os alunos, junto com os professores, prepararam kits com  o livro de oração e passagens bíblicas “Senhas Diárias”, passatempos “Picolé” e um marca páginas feito por eles, ensaiaram com a banda da Escola músicas para apresentar e se prepararam também para oferecer uma massagem  na mão dos idosos com uma conversa olho no olho. Consequentemente, os estudantes foram ao Asilo São Vicente de Paulo e lá vivenciaram momentos únicos, de muita troca, sensibilidade, emoções. Idosos felizes, alunos impactados, entregues às propostas, levando alegria e recebendo carinho.

Conforme a equipe pedagógica do Colégio, que acompanhou os alunos na ação, “muito mais do que ‘lavar os pés’, como Jesus fez, foi termos os nossos pés lavados, tivemos uma oportunidade única de refletir, de ouvir as histórias de vida daqueles idosos, de dar um pouco de carinho, de levar alegria, momentos de emoção, olhos embaçados, mãos trêmulas, abraços calorosos. Nossos alunos voltaram para a Escola transformados e também puderam transformar aqueles que ficaram!”

Após o retorno, o grupo participou do culto com a Pastora Bianca Weber.  Puderam, então, agradecer, falar sobre entrega, sobre serviço. Na ocasião, os alunos deram seus depoimentos relação à sua experiência, falaram sobre como se sentiram, sobre gratidão.

Veja o que disseram os estudantes sobre esse dia inesquecível:

“Para mim foi uma coisa incrível, pois asilo na minha cabeça era uma coisa divertida, vários velhinhos convivendo no mesmo ambiente, mas na verdade não é. Sempre pensei superficialmente sobre asilo, mas quando cheguei lá me deparei com muitas pessoas debilitadas, pessoas que foram abandonadas, ou que foram por vontade própria. E todas agradecem de ter um lar para morar!” (Maria Gabriela Garbosa)

“Eu achei uma boa experiência, isso fez eu entender o lado das outras pessoas, como elas pensam, e a se colocar no lugar das outras pessoas e como nós sofremos por poucas coisas e como as outras pessoas às vezes sofrem muito mais que nós. Eu gostei muito de conversar com os senhores e senhoras sobre suas experiências de vida, com histórias às vezes tristes e às vezes muito legais!” (Alexandre Martins Rodrigues)

“A experiência de ir em um asilo foi impactante, pois eu esperava que seria algo meio chato, mas foi algo totalmente ao contrário, foi muito legal. A sensação de sentir as mãos é algo extraordinário, os olhos de felicidade deles enquanto nós cantávamos. Eu amei visitar o asilo! Obrigada, Escola, por essa oportunidade!” (Lucas Gabriel Dal Col)

“Foi uma visita comovente e marcante em nossas vidas, pois no começo estávamos sem reação e alguns sem saber o que fazer, mas foi apenas necessário um momento para isso mudar, que todos foram até um idoso e conversaram normalmente com todos. Nenhuma pessoa se sentiu sozinha naquele momento, havia algo reconfortante na dinâmica do contato e poder ver no fundo dos olhos o que cada um sentia. Esse sentimento poderia ser medo, tristeza ou felicidade. Em cada um dos sorrisos que víamos, conseguimos sentir que fizemos diferença na vida dessas pessoas, nós conseguimos preencher um espaço vazio no coração de cada um, nós vimos que temos que dar valor para as pessoas nas nossas vidas.” (João Felipe Martins do Nascimento)

“Então começo esse texto falando que é difícil falar em palavras aquilo que aconteceu lá, pois foi diferente e “extraordinário”, pois o amor e carinho recebidos lá foi coisa que aconteceu porque temos uma ótima Escola que nos possibilita isso e Deus, porque sem Ele talvez algo tivesse dado errado, mas como não deu, tenho certeza que Ele estava lá.

Minha reflexão: A vida é curta demais para aproveitarmos algo ou alguém que gostamos. A vida é curta para termos brigas ou tretas , etc, por isso devemos buscar o máximo ser feliz!” ( Kauã Zak Madureira Facci)

“Experiência memorável. Sinceramente foi ótimo se conectar com os idosos. Poder ir lá e animá-los é uma dádiva. Foi importante principalmente para aprendermos a nos conectar com os outros, aprender a sentir sua dor, e assim evoluirmos como pessoa.

Ter empatia foi o principal ponto. Olhar para aquelas pessoas (sim, idosos também são pessoas) e lembrar que um dia seremos nós no lugar delas.

Resgatar , talvez, aquela sensação, de ter uma avó, um avô… Essas pessoas precisam de pessoas, perderam o contato com parentes e amigos.” (Clara Galvão Jansen)

 
2019-04-29T14:56:05+00:00 29 abril 2019|Sem categoria|